Estética branca e vermelha em equilíbrio na região anterior

Estética branca e vermelha em equilíbrio na região anterior

Compartilhar

Caso clínico apresentado traz técnicas e conceitos para atingir resultados de excelência no equilíbrio entre estética branca e vermelha na região anterior.

O resgate de um sorriso harmonioso e da autoestima através de tratamentos odontológicos tem sido frequente, principalmente quando se trata de dentes anteriores perdidos ou com estética comprometida. A possibilidade de melhorar a função e devolver as características biológicas dos tecidos estomatognáticos do paciente é um desafio para o cirurgião-dentista. Quase sempre esses casos envolvem tratamentos complexos e várias etapas, além da decisão sobre o equilíbrio e a manutenção da biologia saudável entre dente e gengiva, ou seja, a harmonia entre a estética branca e a vermelha.

Os pacientes estão mais exigentes, buscam melhores resultados e criam expectativas elevadas, implicando na necessidade de maior destreza e percepção visual e estética do profissional, que deve conciliar seus conhecimentos adquiridos e a aplicação clínica.

A reabilitação de dentes na região anterior da maxila, por meio de restaurações implantossuportadas, é considerada a mais alta qualificação técnica da Implantodontia. Os resultados estéticos de excelência já começam com o planejamento do caso e a viabilização de procedimentos reconstrutivos, tanto de tecido mole quanto ósseo, que visam corrigir defeitos anatômicos e estéticos peri-implantares.

Alguns fatores devem ser observados antes do início do tratamento, como volume de tecido necessário para eliminar a deformidade do rebordo, tipo de enxerto e implante a ser instalado, localização do sítio doador do enxerto, procedimentos que envolvem o tratamento, desenho da prótese provisória, tecido desejado, desenho do guia cirúrgico e possíveis problemas com descoloração do tecido.

O resultado estético da restauração implantossuportada é dependente do volume do tecido mole. Isso porque o osso alveolar reabsorve em todas as direções depois da extração dental, mesmo quando o implante é colocado imediatamente, e, por consequência, a maioria dos pacientes fica com a estética comprometida. Portanto, a utilização do enxerto subepitelial de tecido conjuntivo no momento da inserção do implante imediato em zona estética é eficaz e uma opção para compensar a perda esperada de volume tecidual, mantendo bons resultados estéticos ao longo do tempo. A falta de tecido queratinizado adequado em torno das restaurações implantossuportadas está associada ao maior acúmulo de placa e inflamação do tecido.

A exodontia combinada à instalação do implante e da coroa provisória no mesmo ato apresenta vantagens estéticas e tem apelo psicológico e funcional. Eliminando o segundo estágio cirúrgico, minimiza-se o tempo de tratamento e, consequentemente, o desconforto do paciente. A cicatrização dos tecidos moles acontece concomitantemente à osseointegração, promovendo a estabilização do nível gengival.

A possibilidade de manutenção da arquitetura óssea e gengival, e a redução do tempo de tratamento são aspectos clínicos que consagraram a técnica de carga imediata pós-exodontia, hoje amplamente fundamentada em bases científicas.

O desenvolvimento de terapias de implantes previsíveis e inovadoras, para obtenção de resultado de excelência, requer uma compreensão completa dos processos biológicos inerentes à reparação do alvéolo e reorganização do tecido mole peri-implantar após a exodontia.

Para alcançar a excelência ao colocar implantes imediatos, o diagnóstico e o planejamento do caso devem ser precisos. Há cinco aspectos-chaves – que podemos chamar de cinco triângulos – a considerar durante o processo de tomada de decisão, para ajudar a prevenir erros que podem levar a situações que comprometam o sorriso harmonioso. Isso ajuda o clínico a evitar complicações (Ilustrações esquemáticas 1 e 2).

Ilustrações esquemáticas evidenciando a distribuição da regra dos cinco triângulos.

 

A parede óssea vestibular – um aspecto crítico – é o primeiro triângulo que deve ser levado em conta no plano de tratamento. Grunder et al sugerem como crucial a presença de uma parede óssea vestibular com espessura de 2 mm, para evitar recessão dos tecidos moles, e ainda uma distância entre implantes de 3 mm, para permitir a formação da papila.

Entretanto, a espessura da parede óssea vestibular na região da maxila é menor do que 1 mm em 87% dos casos em que há necessidade de implante imediato.

Se o caso requer a instalação de implante adjacente ao dente, os autores recomendam manter a distância de 1,5 mm para preservar o tecido ósseo e a ligação das fibras, evitando assim a perda da papila interproximal. Tarnow et al postularam que a presença das papilas será previsível quando existir a distância de 5 mm ou menos entre o ponto de contato e a crista óssea. Assim, na colocação do implante, há dois aspectos importantes para considerar: a estabilidade primária e o intervalo (espaço=gap), que são os dois triângulos seguintes.

A colocação de implante imediato é um procedimento delicado, que requer não apenas a presença da parede óssea vestibular, mas também de osso apical suficiente ao alvéolo do dente extraído. É necessário ter de 4 mm a 6 mm de osso apical ao alvéolo para a maior possibilidade de obter uma ancoragem previsível e, assim, alcançar a estabilidade. Isso pode ser reforçado pelo tipo de implante utilizado – sendo desejáveis os modelos de design cônico, com tratamento de superfície até o ombro, roscas progressivas e que permitem o encaixe de “plataforma alterada” do abutment.

Alcançar a estabilidade primária na colocação do implante é essencial ao planejar a técnica de carga imediata. Para este propósito, foram desenvolvidos implantes autorrosqueantes ou que comprimem o osso alveolar à medida que o implante é inserido. Por conseguinte, idealmente, a concepção global do implante assegura boa estabilidade primária, mesmo quando colocado em osso de qualidade e quantidade reduzidas. Como analisado anteriormente, ao explicar a importância da posição 3D, um aspecto crítico é colocar o implante paulatinamente, pois, mesmo que seja instalado com sucesso, existirá um espaço até a parede óssea vestibular (gap). A área de preenchimento dessa lacuna por um biomaterial é o quarto triângulo.

Após a extração, postulou-se que há uma reabsorção horizontal de dimensão óssea que equivale a 56%. Além disso, quando o implante é inserido imediatamente após a extração com retalho de espessura total, haverá um vazio criado entre a parede óssea vestibular e o implante. Esse espaço deve ser preenchido por biomaterial, pois o uso de mineral ósseo desproteinizado ou liofilizado nessa lacuna tem resultados benéficos: o processo de reparo dos tecidos duros é modificado; o tecido rígido adicional está presente na reentrada da cavidade após um período de reparo ósseo; a recessão dos tecidos é evitada; e há melhora do contato marginal osso/implante. Portanto, a colocação de biomaterial xenógeno no vazio entre a parede óssea vestibular e a superfície do implante compensa o tecido duro perdido após a extração do dente.

A preservação do volume nos tecidos moles também é crucial, especialmente na zona estética. Esse é o quinto triângulo: o fenótipo. Além de analisar o fenótipo do paciente, o clínico deve considerar que o tecido mole passará por um processo de remodelação após a colocação do implante.

Existem duas maneiras relatadas na literatura para compensar essa remodelação. A primeira é o enxerto de tecido mole do palato; a outra é descrita por Capelli et al, demonstrando que, nos casos em que a parede óssea vestibular está a menos de 4 mm da superfície do implante, recomenda-se a combinação de enxerto interno e externo para manter o volume e o contorno do rebordo, alcançando assim um resultado estético de maior sucesso.

Implantes imediatos exigem um complicado e preciso gerenciamento de tecidos moles. Além disso, De Rouck et al demonstraram que o uso de implantes imediatos unitários com provisionalização imediata pode ajudar a otimizar a estética. No entanto, deve-se escolher uma abordagem diferente se a estabilidade primária não for alcançada ou se o paciente não atender aos requisitos ideais para provisionalização imediata.

RELATO DE CASO

Paciente do sexo masculino, com 47 anos de idade, compareceu à clínica após insucessos no tratamento endodôntico em função de uma trepanação radicular, para exodontia do dente 11 e subsequente instalação de implante com provisionalização imediata. O paciente também apresentava queixa quanto à ligeira discromia ao redor do dente 11 (Figuras 1 a 3). A imagem da radiografia periapical sugeriu uma lesão na face mesial do terço médio radicular (Figura 4), confirmando a inviabilidade da permanência do elemento dentário. Clinicamente, após a remoção da coroa, observou-se ainda a fratura na mesial deste elemento dentário (Figura 5).

O planejamento foi conduzido inicialmente visando à avaliação do risco estético, por meio do planejamento tomográfico, que é essencial para a evolução do caso. Optou-se pela extração minimamente traumática (Figura 6) para preservar a arquitetura do alvéolo (Figura 7) e, na sequência, foi instalado um implante BLX 3,75 mm x 14 mm (Straumann) com posicionamento infraósseo e approach palatino (Figuras 8 e 9), a fim de garantir o gap vestibular para a regeneração dos tecidos duros e moles. Na mesma etapa cirúrgica e dentro do planejamento proposto para aumento da espessura de tecido conjuntivo, foi coletado enxerto de tecido conjuntivo subepitelial superficial através da técnica do enxerto gengival livre. Então, procedeu-se a mensuração da espessura do enxerto (Figuras 10) inserido na região receptora através da técnica do envelopamento (Figura 11), estendendo para a região dos dois incisivos centrais.

Uma vez estabilizado o enxerto com suturas absorvíveis, havia ainda a presença de um gap entre o enxerto e o implante (Figura 12), espaço que foi preenchido com matriz mineral bovina desproteinizada (Botiss Cerabone, Straumann) hidratada com o próprio sangue do paciente (Figura 13) e, posteriormente, inserida nos espaços entre o implante e o enxerto de conjuntivo (Figuras 14 e 15).

Uma coroa provisória foi colocada em posição e foram realizadas suturas suspensórias para garantir a estabilidade da coroa provisória (Figura 16) e a hemostasia. A área doadora do tecido conjuntivo no palato recebeu uma esponja de colágeno (Colacone Straumann) posicionada e suturada (Figuras 17). Imediatamente após a cirurgia (Figura 18), foi feita a radiografia periapical, que demonstrou a perfeita inserção do implante e a adaptação da coroa provisória.

Ao realizar o acompanhamento clínico e radiográfico aos 90 dias, observou-se a ótima cicatrização na região do palato e na área do implante (Figuras 19), com um perfil de emergência perfeitamente estabelecido e aumento do volume tecidual ao redor do implante (Figura 20). Isso foi garantido pelo enxerto de conjuntivo e pela configuração do transmucoso do pilar provisório (Figuras 21 e 22).

As coroas definitivas foram confeccionadas em dissilicato de lítio sobre o pilar Variobase (Straumann), com o transmucoso equivalente ao pilar provisório de 2,5 mm (Figuras 23). Finalmente, a coroa definitiva foi parafusada (Figura 24), encerrando o caso clínico. Evidenciou-se a perfeita harmonia do sorriso e o equilíbrio entre a estética branca e a vermelha (Figuras 25 a 27).

CONCLUSÃO

A utilização de procedimentos minimamente invasivos, que reduzem os traumas aos tecidos gengivais e periodontais, e a combinação de enxertos e técnicas para o preenchimento dos espaços são recomendadas para a manutenção do volume e do contorno do rebordo para, assim, alcançar um resultado estético bem-sucedido. O uso da técnica dos cinco triângulos proporciona uma melhor qualidade cirúrgica e ainda pode estimar os resultados finais, criando harmonia entre a estética branca e a vermelha. Dessa forma, traz benefícios estéticos aos pacientes que procuram reabilitação em área crítica e complexa, como a maxila anterior.

SUGESTÕES DE LEITURA

  1. Tarnow DP, Magner AW, Fletcher P. The eff ect of the distance from the contact point to the crest of bone on the presence or absence of the interproximal dental papilla. J Periodontol 1992;63(12):995-6.
  2. Araujo MG, da Silva JC, de Mendonca AF, Lindhe J. Ridge alterations following grafting of fresh extraction sockets in man. A randomized clinical trial. Clin Oral Implants Res 2015;26(4):407-12.
  3. Capelli M, Testori T, Galli F, Zuff etti F, Motroni A, Weinstein R et al. Implant-buccal plate distance as diagnostic parameter: a prospective cohort study on implant placement in fresh extraction sockets. J Periodontol 2013;84(12):1768-74.
  4. Garcia JJ et al. A new protocol for immediate implants: the rule of 5 triangles: a case report. European Association For Osseointegration 2014;21:4-5.
  5. Chappuis V, Araújo MG, Buser D. Clinical relevance of dimensional bone and soft tissue alterations post-extraction in esthetic sites. Periodontol 2000 2017;73(1):73-83 (DOI: 10.1111/prd.12167).
  6. Kois JC. Predictable single-tooth peri-implant esthetics: five diagnostic keys. Compend Contin Educ Dent 2004;25(11):895-900.
  7. Chu SJ, Salama MA, Salama H, Garber DA, Saito H, Sarnachiaro GO et al. The dual-zone therapeutic concept of managing immediate implant placement and provisional restoration in anterior extraction sockets. Compend Contin Educ Dent 2012;33(7):524-34.
  8. Huynh-Ba G, Pjetursson BE, Sanz M, Cecchinato D, Ferrus J, Lindhe J et al. Analysis of the socket bone wall dimensions in the upper maxilla in relation to immediate implant placement. Clin Oral Implants Res 2010;21(1):37-42 (DOI: 10.1111/j.1600-0501.2009.01870.x).
  9. Nunes MP et al. Reconstrução de rebordo alveolar com enxerto de tecido conjuntivo subepitelial pediculado para obtenção de um correto perfil de emergência peri-implantar. Acompanhamento de cinco anos. ImplantNews 2015;12(3):301-10.
  10. Chambrone L, Sukekava F, Araújo MG, Pustiglioni FE, Chambrone LA, Lima LA. Root coverage procedures for the treatment of localized recession-type defects: a Cochrane systematic review. J Periodontol 2010;81(4):452-78.
  11. Chambrone L, Faggion Jr. CM, Pannuti CM, Chambrone LA. Evidence-based periodontal plastic surgery: an assessment of quality of systematic reviews in the treatment of recession-type defects. J Clin Periodontol 2010;37(12):1110-8.
  12. Chambrone L, Pannuti CM, Tu YK, Chambrone LA. Evidence-based periodontal plastic surgery. II. An individual data meta-analysis for evaluating factors in achieving complete root coverage. J Periodontol 2012;83(4):477-90.
  13. Cortellini P, Tonetti MS. Microsurgical approach to periodontal regeneration. Initial evaluation in a case cohort. J Periodontol 2001;72(4):559-69.
  14. Cortellini P, Tonetti MS. A minimally invasive surgical technique with an enamel matrix derivative in the regenerative treatment of intra-bony defects: a novel approach to limit morbidity. J Clin Periodontol 2007;34(1):87-93.
  15. McGuire MK, Scheyer ET. Laser-assisted flapless crown lengthening: a case series. Int J Periodontics Restorative Dent 2011;31(4):357-64.
  16. Pinto RC, Chambrone L, Colombini BL, Ishikiriama SK, Britto IM, Romito GA. Minimally invasive esthetic therapy: a case report describing the advantages of a multidisciplinar approach. Quintessence Int 2013;44(5):385-91.
  17. Zuhr O, Hürzeler M. Cirurgia plástica estética periodontal e implantar. Uma abordagem microcirúrgica. Berlin: Quintessence, 2011.
  18. Grunder U, Wenz B, Schupbach P. Guided bone regeneration around single-tooth implants in the esthetic zone: a case series. Int J Periodontics Restorative Dent 2011;31(6):613-20.
  19. Kan JY, Morimoto T, Rungcharassaeng K, Roe P, Smith DH. Gingival biotype assessment in the esthetic zone: visual versus direct measurement. Int J Periodontics Restorative Dent 2010;30(3):237-43.
  20. Lindhe J, Karring T, Lang NP. Tratado de Periodontia clínica e Implantologia oral (4a ed.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
  21. Linkevicius T, Apse P, Grybauskas S, Puisys A. The infl uence of soft tissue thickness on crestal bone changes around implants: a 1-year prospective controlled clinical trial. Int J Oral Maxillofac Implants 2009;24(4):712-9.
  22. Kan JY, Rungcharassaeng K, Fillman M, Caruso J. Tissue architecture modification for anterior implant esthetics: an interdisciplinary approach. Eur J Esthet Dent 2009;4(2):104-17.
  23. Lin GH, Chan HL, Wang HL. The significance of keratinized mucosa on implant health: a systematic review. J Periodontol 2013;84(12):1755-67.

Marcelo Pereira Nunes
Especialista em Implantodontia – APCD/Araçatuba; Mestre em Implantodontia e especialista em Periodontia – SLMandic; Doutorando em Periodontia – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Coordenador do Grupo ProImperio.
Orcid: 0000-0002-8285-5410.

Luís Fernando Pereira Nunes
Especialista e mestre em Implantodontia, e especialista em Periodontia – SLMandic; Professor do curso de Cirurgia Plástica Periodontal e Peri-implantar – NAP Odonto e BOC São Paulo.
Orcid: 0000-0002-9358-8274.

Djalma Pereira Nunes Filho
Mestre em Implantodontia – Unesp/Araçatuba; Especialista em Implantodontia – APCD/Araçatuba; Professor assistente do curso de pós-graduação em Implantodontia – SLMandic.
Orcid: 0000-0002-1648-0366.

Joni Shuiti Yamazaki
Mestre em Implantodontia – Universidade Santo Amaro; Especialista em Implantodontia – Abeno; Professor assistente do Grupo ProImperio.
Orcid: 0000-0001-9601-4404.

João Carlos Bittencourt Ribeiro
Especialista em Implantodontia – Faculdade Sete Lagoas (Facsete); Especialista em Endodontia – APCD; Professor assistente do Grupo ProImperio.
Orcid: 0000-0002-7315-3863.

Roberto Carlos Mourão Pinho
Doutor em Odontologia e professor substituto – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Especialista em Endodontia – Universidade Cruzeiro do Sul.
Orcid: 0000-0002-2831-2722.

Renata Cimões
Doutora em Odontologia e em Saúde Coletiva, e professora associada de Odontologia – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Pós-doutorado em Periodontia – Eastman Dental Institute, UCL, Londres; Especialista em Periodontia – EAP/ABO-PE.
Orcid: 0000-0003-3673-8739.