Impressão 3D em Implantodontia: uma revisão narrativa do estado da arte
Guia cirúrgico total impresso em resina por filamento aquecido em posição em boca.

Impressão 3D em Implantodontia: uma revisão narrativa do estado da arte

Compartilhar

A Odontologia Digital já se tornou uma realidade, e a impressão 3D cada vez mais será incorporada no dia a dia de clínicas odontológicas.

A confecção de dispositivos por meio de impressoras 3D passou do ponto no qual somente grandes empresas possuíam essa capacidade de integração entre imagens obtidas, armazenadas e planejadas via CAD e produzidas via CAM, acarretando custos mais elevados e tempo maior envolvendo todo o processo de fabricação.

Atualmente, a viabilidade do próprio profissional fazer este processo em seu consultório, com baixo custo e menor tempo de produção, já é uma realidade, ampliando as possibilidades de uso dessa tecnologia¹.

Uma vez que a Implantodontia contemporânea preconiza a instalação dos implantes na melhor posição tridimensional possível para o sucesso dos tratamentos, o planejamento virtual e a utilização de guias cirúrgicos são imprescindíveis para cirurgias totalmente guiadas ou simplesmente para melhor orientar o cirurgião. Estes guias também podem ser confeccionados via construção aditiva, ou impressão 3D, do tipo chairside. Ou seja, o cirurgião, de posse dos arquivos DICOM das tomografias e imagens CAD, pode planejar a posição do implante e, de acordo com o sistema de implantes utilizado, imprimir o guia cirúrgico adequado (Figuras 1 a 4).

Vários estudos já confirmaram que esses guias são confiáveis. Além disso, a possibilidade da customização de acordo com o gosto do profissional e o baixo custo de confecção tornam a impressão mais atrativa do que os sistemas convencionais, nos quais o fabricante planeja o guia para o profissional. Esses guias podem ser usados tanto para a instrumentação quanto para a instalação dos implantes em posição.

Com essa confiabilidade, pode-se fazer cirurgias sem retalhos nos casos em que não há necessidade de enxerto ósseo concomitante à instalação do implante, com custo reduzido e trazendo também maior conforto, menor tempo cirúrgico e menores complicações pós-operatórias ao paciente. Quanto maiores os guias cirúrgicos, ou seja, maior a área de contato e a estabilidade proporcionada, mais precisos eles serão.

Neste ponto, também, a opção de imprimir guias totais mesmo para a instalação de somente um implante traz mais segurança para o implantodontista e para o paciente. Alguns estudos mostram que os guias 3D impressos em consultórios para regiões anteriores são mais precisos do que para regiões posteriores, talvez pela dificuldade de obter apoio nos dentes e boa adaptação na mucosa nos casos de extremidade livre, evitando movimento de báscula²-³.

E já que os maiores desafios estéticos estão na região de maxila, eles devem ser utilizados sempre que possível, mesmo porque a demanda estética hoje vai muito além de dentes anteriores (Figuras 5 a 8).

Os processos de impressão 3D na Implantodontia vão muito além dos guias prototipados. Já existem estudos que avaliaram o sucesso de implantes osseointegráveis impressos com ligas de titânio em pó, a partir de impressoras 3D, tanto em animais quanto em humanos4-5. Resultados clínicos e histológicos demonstraram ocorrer osseointegração dos implantes com união estável e funcional, com resultados comparáveis aos implantes produzidos por empresas já estabelecidas e pela técnica de convencional de usinagem.

Outros estudos in vitro estão testando o mesmo procedimento em implantes impressos em zircônia, objetivando ainda melhorar suas propriedades mecânicas. A tecnologia de imprimir estruturas em titânio vem sendo estudada também para reconstruções de defeitos ósseos, aproveitando as propriedades biomecânicas e biológicas do titânio para ajudar a unir fragmentos ósseos, reduzindo ou eliminando defeitos, proporcionando osseocondução no interior de sua estrutura e consequente neoformação óssea.

Muito se tem estudado sobre estruturas impressas em 3D para reconstruir defeitos ósseos e, dessa forma, obter melhores resultados em regenerações ósseas do que com as técnicas tradicionais, evitando o segundo sítio cirúrgico da área doadora, intra ou extraoral. Uma vez que existem impressoras com capacidade de imprimir diversos tipos de estruturas, tanto macro quanto micro e nano, e com diversos tipos de biomateriais, inclusive com diferentes composições na mesma estrutura, outro foco de estudos está em qual tipo de desenho de malha seria mais favorável para a osseocondução e integração do biomaterial7.

A Odontologia Digital já se tornou uma realidade, e a impressão 3D cada vez mais será incorporada no dia a dia de consultórios e clínicas odontológicas, trazendo maior conforto aos pacientes e independência de planejamento e execução de casos clínicos aos cirurgiões-dentistas, tanto nas cirurgias como nas reabilitações protéticas. Em certo tempo, inclusive, para facilitar a reconstrução de defeitos ósseos com maior comodidade e menores custos para dentistas e pacientes.

REFERÊNCIAS

  1. Rendón-Medina MA, Andrade-Delgado L, Telich-Tarriba JE, Fuente-del-Campo A, Altamirano-Arcos CA. Dimensional error in rapid prototyping with open source software and low-cost 3D-printer. Plast Reconstr Surg Glob Open 2018;6(1):e1646.
  2. Kühl S, Payer M, Zitzmann NU, Lambrecht JT, Filippi A. Technical accuracy of printed surgical templates for guided implant surgery with the co-DiagnostiX Software. Clin Implant Dent Relat Res 2015;17(suppl.1):177-82.
  3. Deeb GR, Allen RK, Hall VP, Whithley III D, Laskin DM, Bencharit S. How accurate are implant surgical guides produced with desktop stereolithographic 3D-printers? J Oral Maxillofac Surg 201775(12):2559.e1-2559.e8.
  4. Tunchel S, Blay A, Kolerman R, Mijiritsky E, Shibli JA. 3D printing/additive manufacturing single titanium dental implants: a prospective multicenter study with 3-years of follow-up. Int J Dent 2016;2016:8590971.
  5. Shibli JA, Mangano C, Mangano F, Rodrigues JA, Cassoni A, Bechara K et al. Bone- to-implant contact around immediately loaded direct laser metal-forming transitional implants in human posterior maxilla. J Periodontol 2013;84:732-7.
  6. Yao QQ, Hu J, Zheng PF, Li JY, Zhou J, Tian SC et al. In vitro evaluation of marrow clot enrichment on microstructure decoration, cell delivery and proliferation of porous titanium scaff olds by selective laser melting three-dimensional printing. J Biomed Mater Res B Appl Biomater 2017; Oct 30 (DOI:10.1002/jbm.b.34032).
  7. Barba A, Diez-Escudero A, Maazouz Y, Rappe K, Espanol M, Montufar EB et al. Osteoinduction by foamed and 3D-printed calcium phosphate scaff olds: effect of nanostructure and pore architecture. ACS Appl Mater Interfaces 2017;9(48):41722-36.

Coordenação:

Jamil ShibliJamil A. Shibli
Professor titular do Programa de pós-graduação em Odontologia, áreas de Implantodontia e Periodontia – Universidade Guarulhos (UnG); Livre-docente do Depto. de Cirurgia e Traumatologia BMF e Periodontia – Forp/USP; Doutor, mestre e especialista em Periodontia – FOAr-Unesp.
Orcid: 0000-0003-1971-0195.

Autores convidados:

Márcio FormigaMárcio de Carvalho Formiga
Doutorando em Periodontia pela Universidade de Guarulhos (UnG); Mestre em Prótese Dentária pela São Leopoldo Mandic; Especialista em Periodontia pela Profis/USP; Especialista em Implantodontia pela ABCD Florianópolis; Professor coordenador do curso de especialização em Implantodontia e Periodontia da UniSociesc.

Walterson Mathias -Prado
Walterson Mathias Prado

Doutorando e mestre em Implantodontia – Universidade Guarulhos; Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial – EAP/APCD.