Técnica da expansão colagênica

Técnica da expansão colagênica

Compartilhar

Expansão colágena: nova técnica mostra reconstrução alveolar após exodontia de molar mandibular.

O professor Marcelo Manso desenvolveu uma técnica para reconstrução óssea que será mostrada nesta coluna, por meio de um caso clínico que a empregou em uma região difícil de obter e manter a cicatrização por primeira intenção (molar inferior). Ao final do tratamento, observou-se um ótimo resultado clínico.

A reconstrução de alvéolos de molares, com ou sem acentuada perda de estrutura óssea, imediatamente à exodontia é uma necessidade frequente na clínica odontológica. Condutas seguras e eficazes, que visam a preservação do espaço ósseo nas proporções biomecânicas ideais do complexo raiz/coroa (mínimo 1:1) e com dimensões favoráveis à recepção de um implante osseointegrado, constituem recursos terapêuticos perseguidos por clínicos em todo o mundo.

A regeneração óssea guiada (ROG) através do uso de biomateriais e barreiras é considerada a metodologia padrão-ouro para essas situações e sua previsibilidade está bem estabelecida. Aspectos como abordagem imediata ou tardia para a cirurgia reconstrutora esbarram em fatores decisivos, por exemplo: possibilidade de estabilidade primária de um implante em posição protética ideal; proximidade de estruturas anatômicas nobres; e disponibilidade de tecidos moles para alcance do imprescindível fechamento primário seguro. Todos esses fatores impactam em morbidade, risco de falha e, consequentemente, custo desses recursos.

O caso clínico apresentado tem o objetivo de descrever a experiência positiva em utilizar uma metodologia simples e de grande previsibilidade para compor o arsenal de opções para situações de cirurgia óssea reconstrutiva.

Através do preenchimento alveolar com uma massa constituída de membrana colágena de rápida absorção (membrana hemostática Collatape – Zimmer Dental/EUA), dobrada e suturada (fio absorvível) para tomar a forma de um pequeno sachê contendo em seu interior hidroxiapatita (HA) absorvível (Osteogen – Impladent/EUA), promove-se a manutenção espacial. O complexo se comporta com uma tendência expansiva, provocada pela hidrofiização colágena, que mantém estruturada a formatação periosteal em áreas defeituosas (perda parcial ou total de parede óssea) e ainda adsorve, como uma esponja, o conteúdo sanguíneo regional (osso medular) e seus sinalizadores osteoprogênicos.

Além disso, a observação da permanência do conjunto (sachê) sustentando o espaço alveolar ao longo da absorção sugere um algoritmo substitucional favorável para que ocorra a predominância do primeiro estágio de mineralização óssea, que oferecerá resistência à invasão indesejável dos tecidos conjuntivo/epitelial no processo cicatricial¹ Como resultado, obtém-se um reparo com grande reconstituição da forma original do rebordo alveolar. Após um período de cinco a seis meses, a região é reavaliada por imagem (tomografia computadorizada de feixe cônico) e procede-se a instalação do implante de forma convencional.

CASO CLÍNICO

Paciente portador de primeiro molar inferior esquerdo apresentando lesão cariosa cervical com comprometimento irreversível do espaço biológico, associado à periapicopatia compatível com granuloma apical em íntima proximidade com o canal mandibular, foi submetido à exodontia com reconstrução alveolar imediata e instalação de implante em segundo tempo cirúrgico. Os aspectos clínicos transcirúrgicos da técnica descrita e acompanhamento protético são apresentados a seguir (Figuras 1 a 6).

O caso clínico descrito reflete a atual preferência de conduta do autor2 em situações de exodontias de molares (inferiores ou superiores) em áreas elegíveis à reabilitação com implantes osseointegrados. A simplicidade de execução e o baixo custo operacional, aliados ao potencial de facilitação da intervenção pelo cirurgião na ocasião da instalação dos implantes, são os fatores preponderantes dessa opção.

REFERÊNCIAS
1. Schenk RK, Buser D, Hardwick R, Dahlin C. Healing pattern of bone regeneration in membrane-protected defects: a histologic study in the canine mandible. Int J Oral Maxillofac Implants 1994;9(1):13-29.
2. Manso MC. Reconstrução alveolar imediata às exodontias de molares: apresentação de um protocolo. INPerio 2018;3:247-53.

Coordenação:

GuaracileiGuaracilei Maciel Vidigal Júnior
Especialista e mestre em Periodontia – UFRJ; Livre-docente em Periodontia e especialista em Implantodontia – UGF; Doutor em Engenharia de Materiais – Coppe/UFRJ; Pós-doutor em Periodontia e professor adjunto de Implantodontia – Uerj.
Orcid: 0000-0002-4514-6906.

Autor convidado:

Marcelo MansoMarcelo Manso
Mestre e doutor em Ciências Odontológicas, áreas de concentração em Implantodontia e Cirurgia Bucomaxilofacial – SLMandic; Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial – Força Aérea/PUC-RJ; Aperfeiçoamento no West Valley Implant Center (Los Angeles, EUA).
Orcid: 0000-0002-0612-4456.